A Criação e os Anjos

No capitulo IV, veremos como Deus criou os anjos e como surgiu o demônio.

         As primeiras obras da criação divina foram os anjos. Os anjos são seres espirituais, dotados de inteligência e vontade. Não têm corpo como nós, e, portanto, não são dependentes da matéria. Por mais que tenhamos alma, esta foi feita para estar unida em um corpo físico.

         A existência dos anjos é uma verdade de fé. Na Sagrada Escritura, observamos várias vezes à presença desses seres espirituais, como no momento da Encarnação e as orientações recebidas por São José. Conhecemos apenas três anjos: Gabriel – “Fortaleza de Deus”, Miguel – “Quem como Deus?” e Rafael – “Remédio de Deus”.

         Como bem sabemos, para alcançarmos o céu precisamos amar a Deus. E o amor a Ele se prova através de atos concretos, que demonstrem a livre e voluntária submissão à vontade de Deus. Nós e os anjos fomos chamados por Deus a demonstrar nosso amor a Ele através da obediência.

         O grande presente que Deus nos deixou foi a liberdade. E por isso, Deus deu também aos anjos o livre-arbítrio, para que fossem capazes de escolhê-lo livremente. Entretanto, segundo alguns teólogos, quando Deus deu aos anjos uma visão prévia de Jesus e mandou que eles O adorassem, alguns anjos se rebelaram e se recusaram a adorar o próprio Deus encarnado. Os anjos tinham plena consciência de sua grandeza espiritual e dignidade, e sob a chefia de Lúcifer – “Portador da Luz” – alguns anjos (não se sabe a quantidade) gritaram non serviam (não servirei). O pecado da soberba afastou muitos anjos da comunhão com Deus. Dessa forma, surgiu o inferno.

         O inferno é formado por anjos rebeldes que optaram livremente por se separarem de Deus. Quando cometemos um pecado grave conscientemente, também nos separamos de Deus. O diabo, que é um anjo rebelde, é um ser muito inteligente, pois no inicio Deus o dotou de inteligência e não a retirou dele após ter optado por se afastar. “O que Deus dá, não o tira””. A inteligência do diabo é incomparavelmente superior à inteligência humana. Mas o demônio usa sua inteligência para afastar as almas de Deus – nos tenta ao pecado.

         Ainda nos dias de hoje, algumas pessoas ainda questionam se o demônio de fato existe. Mas ele é real e é cem por cento ódio e cem por cento mau. Não há nada de bom no demônio. Talvez a dificuldade em acreditar que ele existe, seja porque ele é tão inteligente que sabe se esconder a agir em coisas que nos dão imenso prazer e felicidade. Só que é um prazer e uma felicidade falsa e momentânea. Só Deus pode nos dar a verdadeira felicidade que é eterna e não perece.

         É obvio que nem tudo é tentação do demônio. Algumas vêm do mundo e outras vêm das nossas paixões desordenadas, devido ao pecado original. O importante é saber que podemos dominá-las. Deus jamais nos pediria um amor constante e leal se não fossemos capazes de dá-lo. Por isso, temos que aprender a lutar para vencer as tentações que nos levam frequentemente a nos afastarmos do amor de Deus.

         As armas que podemos utilizar são: a constância para adquirir virtudes para crescer em santidade; a participação na santa missa; ter uma vida de oração e a recepção frequente dos sacramentos da confissão e da Sagrada Eucaristia. Todas essas armas nos tornam imunes às tentações. Mas primeiro é preciso querer. E Deus nos deixa completamente livres para escolher.

          Algumas questões para refletir:

  • Tenho consciência de que o demônio existe?
  • Sei identificar as tentações e fugir delas?
  • Luto diariamente para crescer em santidade, buscando sempre identificar meus defeitos? Comprometo-me a crescer nas virtudes?
  • Tenho uma vida de oração, participo da santa missa e recebo frequentemente os sacramentos da confissão e a Eucaristia?

               

Andressa Pelaquim
(Paroquiana da Catedral)

Plugin de comentários do Facebook