A pena temporal e as Indulgências

                    Nesse capitulo, estudaremos o que é a pena temporal devida pelos pecados já perdoados, e como podemos, através das indulgências, pagar essa pena ainda nesta vida.

                O sacramento da Penitência perdoa os pecados mortais e veniais, ou seja, nos livra da pena eterna, o inferno. Após a confissão de todos os pecados estamos salvos, porém não saímos da confissão sendo santas (os). Saímos com o coração ferido e manchado pelo pecado. Se morrermos após uma confissão bem feita, o nosso destino será o purgatório, para purificar a alma. Por isso, Jesus deixou para a sua Igreja, o poder de limpar a alma de todos nós, de qualquer coisa que nos impeça de entrar em união com Ele no céu.

                Os pecados cometidos deixam marcas em nosso coração, que é a pena temporal.  A pena temporal é o tempo que a alma precisará purificar-se no purgatório. Essa pena temporal devida a Deus pode ser paga em vida, através de alguns meios disponibilizados pela Igreja ou no Purgatório. A obtenção de indulgências plenárias ou parciais ajuda na remissão da pena temporal. De acordo com o Padre Paulo Ricardo, “a absolvição sacramental livra a pessoa do inferno e a indulgência livra a pessoa do purgatório”.

                A indulgência, segundo o Catecismo da Igreja Católica, é a remissão da pena temporal devida pelos pecados, após o perdão dos mesmos na confissão. As indulgências curam os efeitos que o pecado provocou no coração humano. Mas só obtém indulgência quem estiver em estado de graça santificante e desprendido de qualquer pecado venial deliberado. Há dois tipos de indulgências: as parciais e as plenárias.

                Segundo o Pe. Paulo Ricardo, a indulgência plenária é a remissão total da pena que a pessoa devia cumprir no purgatório. Já a indulgência parcial, diminui parcialmente esse tempo.

               Mas como conseguir as indulgências?

 

Indulgência plenária

                As indulgências plenárias consistem em realizar uma obra, por exemplo, fazer uma visita ao cemitério, igreja, uma romaria, etc. Além disso, para obtê-las faz-se necessário cumprir três exigências: confissão sacramental, comunhão e oração pelo Santo Padre, o Papa. Essas três exigências podem ser cumpridas antes ou após a realização da obra prescrita. Entretanto, convém comungar e rezar pelo Papa (Credo, Pai Nosso, Ave Maria e Glória) no mesmo dia no qual realizou a obra solicitada. Para conseguir uma indulgência, a pessoa deve ter a intenção geral de lucrar a indulgência. E lembrando deve-se estar em estado de graça e desapegada dos pecados veniais.

                 Só podemos obter uma indulgência plenária por dia. As indulgências plenárias que obtemos não podem ser aplicadas a outras pessoas vivas, somente aos nossos próprios débitos. No entanto, podemos aplicá-las as almas do purgatório.

                Podemos obter indulgência plenária também ao rezar o Santo Terço em família ou na igreja; ao rezar a Via Sacra diante das estações; ao se dedicar meia hora à leitura e meditação sobre a paixão e morte de Nosso Senhor, entre outras.

               

Indulgências parciais

                As indulgências parciais podem ser obtidas inúmeras vezes ao dia. A Igreja concede indulgencia parcial para qualquer oração legitima com que façamos um ato de fé, esperança ou caridade. Obtemos indulgência parcial ao rezar devotamente uma Salve Rainha; ao rezar o Santo Terço; fazer o sinal da Cruz dizendo “Em nome do Pai…”; ao realizar uma visita ao Santíssimo Sacramento (se passar de meia hora pode obter a plenária); fazer oração mental; ensinar ou aprender a doutrina cristã; ler a Bíblia (se passar de meia hora pode obter a plenária), etc.

                Em resumo, só iremos para o purgatório se quisermos, assim como para o inferno. Deus, nos amando infinitamente, nos deixou inúmeras formas de chegarmos até Ele. Portanto, não permita que a sua preguiça espiritual te afaste da morada eterna.

 

 

Andressa Pelaquim

Plugin de comentários do Facebook